Navio Altair - Praia do Cassino


Na Praia do Cassino no Litoral do Rio Grande do Sul, considerada a maior extensão de praia do mundo, aproximadamente 320 km de Porto Alegre, encontra-se o Navio Altair que descansa há muito anos.
Pessoalmente fui até onde se encontra os destroços do navio que a cada ano que passa sofre lentamente com a ação do tempo e em alguns anos deixara de fazer parte dos passeios de turistas que vão até ao seu encontro.
A primeira vez que eu conheci o Navio Altair foi em janeiro de 2013 e retornei no mesmo período de 2014, e posso afirmar que durante apenas um ano já notei algumas diferenças, a maresia ao longo dos anos vem fazendo que o navio desapareça.
Durante algum tempo fui pesquisando e reunindo algumas informações e imagens do Altair como essa a seguir, em uma das poucas imagens antes do acidente.( imagem do blog Flotilha)

O Navio Altair pertencente a Empresa Linhas Brasileiras de Navegação, no dia 3 de junho de 1976, sob o comando do Comandante Raymundo Bacellar do Carmo zarpou do Porto de San Pedro na Argentina com carregamento de 2.800 toneladas de trigo com destino à Natal, fazendo escala no Rio de Janeiro.
No dia 5 de junho de 1976 enfrentou uma grande tempestade causando a quebra de várias escotilhas e danificando os cilindros de gás da cozinha impedindo o funcionamento do fogão, por volta das 20 h do mesmo dia, com visibilidade nula o Comandante resolveu navegar com velocidade lenta.
No dia 6 de junho de 1976 através do chefe de máquinas o comandante tomou conhecimento que a água havia tomado conta dos tanques, por volta das 12 h do mesmo dia navegaram em direção à barra do Rio Grande, mas com o mar muito revolto, em decisão com os Oficiais o Comandante achou que não conseguiriam chegar à barra, resolveram fazer a varação do navio, ou seja, fazer com que o navio encalhasse, na procura de salvar todos, a carga e o navio.
 Na manhã do dia 7 de julho após as 9 h foi verificado que o navio estava com uma trinca no convés e o comandante ordenou às 10 h o abandono do navio, onde os 21 tripulantes foram auxiliados por pescadores, que por motivo do mau tempo estavam acampados aproximadamente 6 km do local onde o navio encalhou.
Foi no dia 7 de junho de 1976 que o Navio Altair encalhou na Praia do Cassino, após sofrer com uma grande tempestade.



Foi julgado que o Comandante Raymundo Bacellar era o responsável do encalhamento do navio, assim como a perda da carga, mas mais tarde recorrendo o processo foi constatado que foi a decisão mas coerente em fazer a varação por motivo de mau tempo, com grandes avarias causadas pela penetração de água nos tanques de lastros, suspiros degolados e inundação da sala de máquinas, julgando o acidente como fortuna de mar. 








Janeiro de 2013, as imagens que registrei.




Imagens de janeiro de 2014.






Na imagem a seguir, ainda aparece em melhor estado o bico engraxador.

Partes do guincho.
















Esperamos que o navio ainda resista à mais alguns anos, pois o mesmo é motivo de passeio até o local, aproximadamente 16 km do centro de Cassino.

8 comentários:

  1. parabéns! um dos blogs mais completos sobre o assunto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu nome é Celso Braga, sou de Rio Grande/Cassino. Também gostaria de saber de onde foram extraídas as informações do Navio Altair antes do encalhe, pois eu fiz uma reportagem no Jornal Agora aqui de Rio Grande em 11/02/2016 o texto está idêntico, mas eu sitei as fontes. Aqui não foram citadas e a foto do Navio Altair navegando em outro lugar antes do encalhe também não foi dado crédito, ela é da página Cassineiros Belas Imagens. O blog é ótimo mas devemos citar as fontes. A data da postagem também não aparece.

      Excluir
    2. A foto foi cedida ao cassineiro belas imagens por mim, porem sua origem está em amigo que trabalhou no Tecon de Rio grande e conseguiu nos arquivos da empresa Libra Navegação.

      Excluir
  2. Parabéns pelo blog! gostei muito da matéria sobre o navio Altair. você possui informações que não são tão fáceis de ser encontradas. estou desenvolvendo um projeto de pesquisa sobre o mesmo, e gostaria de saber onde você encontrou essas informações. ficaria muito grata se você disponibilizasse as fontes.
    Abraços!
    Vanessa Lopes.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Oi Vanessa, que bom que gostou do blog, irei verificar e lhe mando informações.

      Excluir
  4. Vanessa mande um e-mail através do Fale Conosco para identificar o seu endereço de e-mail.

    ResponderExcluir